Lisboa

Antigo convento Beneditino de São Bento da Saúde, fundado pelo geral da Ordem dos Beneditinos, D. Baltazar de Braga. A obra, iniciada em 1598 e concluída em 1615, teve projeto do arquiteto Baltazar Alvares, que adotou uma linguagem estética maneirista.

Com a extinção e expulsão das ordens religiosas em 1833, o convento foi convertido em Palácio das Cortes (Parlamento), função que ainda hoje mantém com o nome de Assembleia da República. Para assumir estas funções, que incluem duas câmaras, a dos pares e a dos deputados, o edifício sofreu sucessivas campanhas de obras a partir de 1835, retomadas em 1895 devido a um incêndio de grandes proporções. Esta nova empreitada prolongou-se desde o final do século XIX até 1943, pontuando-se os últimos 20 anos por uma intervenção estética mais de acordo com o nacionalismo do Estado Novo.

O palácio deve a sua feição atual ao projeto neoclassicizante do arquiteto Ventura Terra.

Na linguagem arquitetónica utilizada a alegoria à nação e aos seus grandes homens é uma constante.

Da fachada de aparato, precedida por uma grandiosa escadaria, destaca-se o monumental frontão esculpido que representa uma entronização da Pátria. O acesso realiza-se por um átrio grandioso, local da antiga igreja beneditina do convento, passando-se depois para a monumental escadaria nobre, concluída no período do Estado Novo (1936/37) e onde se podem observar conjuntos escultóricos coroando as portas e pinturas históricas, de louvor à Pátria (A defesa da Pátria e a Prosperidade da Nação), no topo da escadaria.

O Salão Nobre é outro dos pontos importantes deste monumento. Concluído no período do Estado Novo, era o local das receções oficiais nos anos 1940. Aqui impera a estética nacionalista, na profusão de elementos heráldicos e nas pinturas na parede, evocativas da época dos Descobrimentos. Esta mesma estética, da solenidade nacional, impera também na Sala das Sessões. Inaugurada em 1903, é obra do arquiteto Ventura Terra que, influenciado pela arquitetura do ferro e do vidro, concebeu uma claraboia de grandes dimensões para iluminar o espaço. São ainda de assinalar nesta sala as estátuas alegóricas relacionadas com o exercício da legislatura (Diplomacia, Jurisprudência, Justiça e Eloquência) e uma pintura evocativa da primeira Assembleia Constituinte Portuguesa, ocorrida em 1821, da qual resultou a primeira constituição. A sala das Sessões encontra-se disposta em hemiciclo, observando-se a disposição política à francesa (esquerda e direita).

De destacar ainda o antigo refeitório dos frades, onde existem conjuntos de painéis azulejares do século XVIII (2ª metade), a biblioteca, fundada por Passos Manuel e criada para se assemelhar a uma biblioteca conventual. O Palácio alberga a Assembleia da República, a Biblioteca Passos Manuel e o Arquivo histórico Parlamentar.

LOCALIZAÇÃO
Praça da Constituição de 1976 |  1200-619 Lisboa  

VISITAS GUIADAS
A Assembleia da República promove a realização de visitas guiadas aos principais espaços e salas do Parlamento, nomeadamente as Salas das Sessões e do Senado, dando a conhecer a história do Palácio de S. Bento, desde a sua construção à atual função parlamentar.

Estas visitas são direcionadas a grupos organizados de cidadãos e grupos escolares (a partir do 4.º ano de escolaridade inclusive) e realizam-se com grupos com um mínimo de 10 e um máximo de 30 pessoas, tendo a duração aproximada de 90 minutos.

As visitas são gratuitas e têm lugar às segundas-feiras de manhã e de tarde e às sextas-feiras à tarde, mediante inscrição prévia.

CONTACTO
T. +351 213 919 000