Lisboa

A construção deste chafariz, fronteiro ao Palácio Alvor (Museu Nacional de Arte Antiga), originou um verdadeiro trabalho de reorganização urbanística, com o desenho de uma nova praça, planeada pelo arquiteto Reinaldo Manuel dos Santos, em 1774.

Implantado harmoniosamente no Largo do Dr. José de Figueiredo, surge rodeado por um pequeno muro, que define três dos seus lados, sendo o quarto definido pelo palácio, servindo simultaneamente de suporte às ruas laterais e acompanhando o declive do terreno.

Classificado como Imóvel de Interesse Público, traduz uma arquitetura civil de equipamento, barroca. Alinhado com o portal nobre do palácio, o chafariz, em mármore branco e rosa, é composto por uma bacia de receção de águas circular, assente sobre uma escadaria, também circular, intercalada por dois tanques, destinados a bebedouros dos animais, e encimada por uma caixa de água, em forma de jarrão lobulado em quatro faces curvas, salientes e reentrantes, das quais a água jorra a partir de quatro carrancas. A coroar este conjunto surge um grupo escultórico alegórico, da autoria de António Machado, que representa Vénus ladeada pelo Cupido e por um golfinho, fazendo alusão ao Amor e à Água.

Este chafariz, em 1823, era abastecido pelo Aqueduto das Águas Livres através da Galeria das Necessidades.

LOCALIZAÇÃO
Largo Dr. José Figueiredo | 1200-742 Lisboa