Lisboa

É este, entre os cafés emblemáticos, aquele que nos leva mais atrás no tempo. Traz inscrito um século XVIII em que alguns luso-italianos abriam as primeiras lojas do género: o Nicola no Rossio, e este Martinho da Arcada, que ainda experimentou alguns nomes antes de se chamar assim. Quando abre, em 1782, chama-se Casa da Neve, e vende bebida e gelo. Sucedem-se gerências e denominações: Casa de Café Italiana, Café do Comércio, Café dos Jacobinos, Café da Arcada do Terreiro do Paço – até que em 1829 um novo dono, Martinho Bartolomeu Rodrigues, lhe dá o seu próprio nome. Anos depois passou a chamar-se MARTINHO DA ARCADA para o distinguir de outro homónimo que o mesmo proprietário adquirira no Largo Camões.

Ao longo de dois séculos, este Martinho – o da Arcada – deu repasto e repouso a governantes, negociantes, artistas, todo o tipo de encontros e tertúlias que aqui tiveram lugar, até se tornar segunda casa daquele que é hoje o seu inquilino mais famoso: Fernando Pessoa. Para ele continua reservada uma mesa, ex-líbris da casa e a mais requisitada, e uma série de memórias emolduradas nas paredes. Foi aqui, no Outono de 1935, que Pessoa e Almada Negreiros partilharam um último café, dias antes da morte de Pessoa.

Outras mesas reservam homenagens a outras personalidades da vida portuguesa e do seu pensar: Eduardo Lourenço, José Saramago, Júlio Pomar, Manoel de Oliveira e Ruy de Carvalho.

LOCALIZAÇÃO
Praça do Comércio, 3  |  1100-148 Lisboa  

HORÁRIO
7h00 – 23h00

TIPO DE COZINHA
Tradicional Portuguesa

MENU IMPERDÍVEL
 Bife do Lombo à Martinho
 Espetada à Ribatejana
 Bacalhau à Martinho
 Bacalhau à Lagareiro
 Medalhões de Veado
 Sardinhas Assadas

PREÇO MÉDIO
20 €

COMODIDADES
. Esplanada
. Pratos vegetarianos
. Acessível a pessoas com mobilidade reduzida

CONTACTOS
T. +351 218 879 259 | E. reservas@martinhodaarcada.pt